Use of new technologies in teaching – How can technology improve Brazilian education?

Do you know how many edtechs there are in Brazil today? To answer this and other questions, Abstartups along with the Edtech Committee has just launched a mapping that identifies the country’s educational technologies. In the study, 364 edtechs were mapped. This is a representative number not only for the sector, if we think that education is also in 1st place among the startup market with 7.8%.

Another important data from this study shows that 73% of Brazilian states have at least 3 edtechs. This is positive though a difficult business where the education entrepreneur first of all, has to believe in the power of transformation of his actions. Want to see the full study?

Related image

It reminded me of a conversation I had at an educational technology fair with more than 177 startups with a municipal secretary of education who, lost in the midst of so much novelty, asked me startled if all this innovation was really revolutionizing schools.

I took the opportunity to draw the attention of the public manager to the impact of technology on education. I explained that the Brazilian Startups association has a base of more than 300 education companies that are revolutionizing elite schools in Brazil. The state-of-the-art teaching includes, for example: software programming classes, robotics and platforms capable of identifying the pedagogical difficulty of each student in a personalized way, presenting videotapes to suppress any deficiencies of the student that has been left behind. However, all this technology has been increasing the quality gap between public and private institutions. The research “Our school in (re) construction”, developed by PORVIR / Inspirare Institute with 132 thousand students aged 13 to 21 from all regions of Brazil, points out that the greatest desire of young people is to use technology outside the computer lab.

Despite the appeal, the Ministry of Education and the municipal and state secretaries have not yet understood the message. Startups complain that the government could exponentially improve the quality of education while saving resources, as was the case with the Geekie Games study platform.

Related image

The platform was part of a program offered by the Ministry of Education and the Social Service of Industry (SESI) entitled ENEM Time that aimed to qualify students for the feared Enem. It has changed the preparation of students, especially those in public schools and poor families, for offering free and personalized education. This served to considerably reduce the almost insurmountable barrier that separates who is in the private network from who is in the public network. The students of the last year of high school had access to a set of videos, exercises and a syllabus shaped to their interests, that took into account the educational reality and the goals of each one. All this, repeating, for free.

The ENEM Time attracted more attention from the vestibands that use the system for longer than social networks like Facebook, Twitter or Instagram. On average, students who used Geekie Games on the Enemy Hour program spent 57 minutes a day studying – the national Facebook standard is now 44 minutes a day and Instagram is 12. The data is from a comparison made between numbers of a survey on social networks elaborated by the company SimilarWeb and information raised by Geekie Games.

In 2016, the project contributed to a 72-point improvement in academic performance and impacted 4.5 million students using less than 0.0001% of the resources that would be needed to have the same effect without the use of technology. However, the program was abandoned in 2017 because of lack of political interest, leaving millions of students homeless.

While the Brazilian elite that studies in private school advances in teaching and guarantees the dreamed vacancy in a university, the public school student is neglected for lack of commitment of its managers. For example, there is a substantial amount of existing PNLD resources (National Textbook Program) sufficient to transform education in Brazil. For this, it is necessary to adjust the purchase model, including new educational products, to allow the public schools to enjoy the technology of the startups and thus to give life opportunity for all the children and young people.

Image result for educação digital

We live in a new model of society, modified by the use of information and communication technologies, that integrate our daily life in such a way that it seems difficult to imagine life without them (Kenski, 2003). In this current model, the school lost its exclusive role in transmitting and distributing knowledge. As Abreu (2001, p.2) affirms, “today’s school to dialogue with the information society needs to be redesigned and include the audiovisual and digital language in its space.”

A great technological apparatus (computers, projectors, televisions, tablets, smartphones, videogames and cameras) is incorporated into the daily life of people of all social classes and age groups. According to Kenski (2003), all this technological apparatus makes the teachers and the school to renew themselves, since they bring numerous challenges to education professionals. The main challenge may be to “understand how these changes affect the school and modify the role of the teacher in the classroom” (Ferreira; Souza, 2010).

Mobile technologies challenge institutions to move away from traditional teaching in which teachers are the center for more participatory and integrated learning, with face-to-face and other moments at a distance, maintaining personal and affective bonds, being together virtually (Moran, s / p.2).
Despite the recurring recommendation regarding the accomplishment of diversified works, with the use of new methodologies and tools, some resistance is still found. The teacher must seek the re-signification of teaching and learning concepts and practices by appropriating information and communication technologies. Students need to be prepared so that they are able to seek information, evaluate, select, structure and incorporate their own knowledge. It also involves understanding basic principles that enable them to participate in debates involving scientific and technological issues, their benefits, problems and influences.

Including new technologies in everyday school life is a necessity, since they are present in a student’s life outside of his or her school environment. The inclusion of these technological resources in the school can contribute to improve the conditions of access to information and broadens learning situations. However, the simple insertion of these resources does not mean learning, since, on their own, they do not change the school (Moran; Masetto; Behrens, 2003). It is not enough just to equip schools with all kinds of technological apparatus and to maintain the attitude of the educator and the same school model, because in this way any technological supports will be reduced to mere differentiated ways of transmitting information. Well defined objectives are needed, and especially the guarantee of integration to the curricular processes (Ferreira and Souza, 2010), because otherwise the technology will be used only as an instrument. Thus, technologies based on new conceptions of knowledge, methodology and new profiles of students and teachers can contribute and transform processes of teaching and scientific learning.

Image result for educação digital

The school, from problematizing and challenging situations, takes the student to the search of information; then enables the intellectual development and the conditions for the individual to be agents of change in their environment. The profile of the school and the teacher ceases to be guided only in the transmission of knowledge, requiring from then on a work of facilitating the learning process, coordinating actions, encouraging questions, debates, contextualizing the data and adapting what is taught to the reality of students’ daily practices.

This new school requires not only a new pedagogical concept, but especially that teachers assume a new responsibility and a central role as intermediaries of the process of acquisition and elaboration of knowledge (Ripper 1996: 63).
Technology can stimulate learning, opening up a new dimension of access to information. The internet, for example, is a tool for brainstorming, sharing research and a great social network. Virtual communities open up a new dimension to the intellectual exercise with the development of quick thinking and teamwork. Add to this the possibility of creating a learning space as a result of the search and exchange of information. In this way, the insertion of new technologies can be important for the construction of knowledge by the student, since the integration between technology and knowledge allows understanding current problems, developing alternative projects for everyday transformation and citizenship construction (Almeida, 2005). New technologies can and should modify the structure of the class, making it more dynamic and sometimes replacing the textbook. Even against all this, the teacher does not lose his function; continues to direct the learning process, but with another posture, acting as a provocateur or mediator in the construction of learning.

Teachers are subjects of the knowledge and mediators of all pedagogical action that takes place inside the school; for this reason, they need to appropriate new technologies, not only to motivate the students, but to understand the active and dynamic process that occurs in this interaction between man and machine (Paramanianello, Maman, 2010, p.3).
In this sense, it is necessary for the teacher to review his / her pedagogical practices (Fonseca and Magina, 2017) and, as mediator of learning (Parzianello and Maman, 2010), to have theoretical mastery and to use appropriate methodologies for an interactive teaching-learning process contextualized and significant (Seegger and Canes, Garcia, 2012).

Image result for educação digital

The new technologies in education are an important tool to stimulate the teaching-learning process. If applied responsibly and creatively, technology can have different benefits for students and even for educators. With the popularization of technological devices, it is common for new generations to have these devices inserted in their daily life, and the school should not be unaware of these influences.

It is important to emphasize that technology does not replace the role of teachers in education, and it is fundamental that educators know how to use these new media and software. A state-of-the-art device does not guarantee student learning, which makes the teacher’s role essential in this process. When balance is found, the use of equipment, softwares and media contribute to students ‘cognitive development and help teachers to arouse students’ curiosity. Check out some of the key benefits of new technologies in education.

Makes classes more attractive
Awaken students’ curiosity and attention
Improve productivity
Help educators to streamline lessons
Contribute to extraclass school achievement

Now that you are aware of the influence of technology on education, it is important to analyze the school’s pedagogical project and talk to the co-ordinator to see how the institution introduces technology into the educational process. To find institutions that understand the importance and advantages of having a teaching plan with differentiated approaches, count on Educa Mais Brasil.

Did you know that the history of technology in education began even before the application of communication and information technologies (ICTs) in the teaching-learning process? Not?

The history of technology in education begins in ancient civilizations.

Are you curious to understand more about the history of technology in education?

So continue reading and stay within how technological evolution has impacted educational processes.

When it comes to technology, what comes immediately to your mind?

I bet you think of cell phones, tablets, computers, do not you?

However, experts define technology as something far beyond that.

According to them, we can understand by technology a set of methods, techniques, processes or procedures used in human activity, not limited, therefore, only to the use of tools such as computers, cell phones, tablets, etc.

Do you know when you create a technique to earn more in your studies?

Well. It is a technology focused on the improvement of their studies.

The history of technology in education: from the use of wood to digital technology
Although many scholars attribute to the twentieth century the beginning of the history of technology in education, it should be emphasized that education since its origin has always used some technology, at least that is what the philosopher Demerval Bruzzi, former director of the Ministry of Education, says.

According to this researcher, education has been surrounded by technologies practically since 1650.

Example is the Horn-Book technology. It was a wood with printed letters used at the time for children’s literacy, that is, used to teach them to read and write religious texts.

Another technology used, this time between 1850 and 1870, was the Ferule, a tool used as a pointer / indicator in classrooms. Soon after, at the end of the 1870s, what we know today as a slide projector, the Magic Lan Tern, emerged.

Do not think that the history of technology in education ends there, right?
In 1890 the blackboard appeared, besides other technologies like the pencil.

Related image

From this, several tools emerged and became part of the teaching-learning process of many students, such as the calculator, the ballpoint pen, among others, until finally reaching the era of the use of Information and Communication Technology in the years 2000 , with the popularization of computers.

The impact of Information and Communication Technologies on Education
The 21st century is marked by the intense use of Information and Communication Technologies in educational processes.

With the emergence of Web 2.0, a nomenclature created by researchers in the field of communication to refer to the web as a dynamic, interactive and intuitive space, education was revolutionized.

Both teachers and students began to create content and share that content through computers and mobile devices connected to the web.

Teachers started to create discussion forums and discussion spaces using technologies such as groups on social networking sites and educational platforms, spaces that allow people to express themselves through diverse media such as images, texts and videos, enabling them to both learn how to teach.

Undoubtedly, the emergence of ICTs and Web 2.0 represent a major advance in the area of ​​education and an impact on the way of teaching and learning.

Nossa visão da tecnologia educacional.

A revisão das diferentes concepções de Tecnologia Educacional ao longo do tempo e a análise dos campos do conhecimento que forneceram uma base teórica nos permitiram verificar a disparidade dos critérios existentes. Portanto, e como a escolha de uma ou outra maneira de assumir a Tecnologia Educacional condicionará o plano de ação que o Projeto de Ensino deve elaborar, dedicamos esta seção a expor a abordagem conceitual da Tecnologia Educacional com a qual nos identificamos mais e que Tomaremos como base para justificar o desenvolvimento das seguintes seções do Projeto de Ensino.

A visão que apresentaremos não pretende ser exaustiva ou totalizadora, embora tente destacar os aspectos mais significativos que a caracterizam. É um reflexo de mais de vinte anos de trabalho no campo educacional, em diferentes níveis e com diferentes funções tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado; É também o resultado da evolução pessoal e como ela estará sujeita à evolução.

Related image

Revendo as definições de TE que ocorreram nas últimas décadas, podemos encontrar diferentes concepções que originaram perspectivas e práticas de ensino e pesquisa muito diferentes. Possivelmente, a definição que melhor reflete essas diferentes tendências é a proposta pela UNESCO em 1984, com base nas propostas feitas em 1970 pela Comissão de Tecnologia Instrucional, formulando um duplo sentido de Tecnologia Educacional:

1.- Originalmente, foi concebido como o “uso para fins educacionais da mídia nascida da revolução das comunicações, como mídia audiovisual, televisão, computadores e outros tipos de” hardware “e” software “.

2.- Em um sentido novo e mais amplo, entende-se como “a maneira sistemática de conceber, aplicar e avaliar o conjunto de processos de ensino e aprendizagem, levando em consideração os recursos técnicos e humanos e as interações entre eles, tais como: maneira de obter uma educação mais eficaz “. (UNESCO, 1984, 43-44)

Mais recentemente, vários autores de nosso país, Salinas (1991), AREA, CASTRO e SANABRIA (1995), SANCHO et al. (1998), coletam as abordagens anteriores e apontam a existência de duas formas básicas de entender a Tecnologia Educacional, embora todas coincidam na determinação do apoio e aprimoramento dos processos de ensino e aprendizagem e na resolução de problemas educacionais com a ajuda de recursos tecnológicos (sua hipótese básica é que a aprendizagem pode ser melhorada e que existem recursos e técnicas para alcançá-la).

Essas maneiras de conceituar a Tecnologia Educacional, independentemente das abordagens comportamentais tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado, cognitivas ou construtivistas subjacentes, são:

  • Conceito centrado na mídia. A Tecnologia Educacional é entendida como “tecnologia na educação” (Salinas, 1991: 35) e refere-se ao design, desenvolvimento e implementação de técnicas e materiais (produtos) baseados em novos meios tecnológicos (Tecnologia da Informação e Comunicações – TIC e meios de comunicação de massa) para promover a eficácia e a eficiência do ensino e contribuir para a solução de problemas educacionais. Trata-se, portanto, de uma concepção eminentemente prática que inclui visões da Tecnologia Educacional, que vão desde perspectivas focadas na simples aplicação dos meios de ensino para transmitir mensagens (sem levar em conta nem as características dos alunos nem as especificidades do contexto) até que se concentram na melhoria dos processos do ato didático (considerando todos os seus elementos) com a ajuda de recursos tecnológicos.
  • Conceito focado na instrução. A Tecnologia Educacional é entendida como um modelo teórico-prático para o desenvolvimento sistemático da instrução, o que Salinas (1991: 35) chama de “tecnologia educacional”. Aqui, a Tecnologia Educacional, além do mero domínio de recursos e dispositivos, é caracterizada como um processo de planejamento e gerenciamento de processos de ensino que aplica princípios científicos (definição de teorias de aprendizagem, desenho curricular, seleção e produção de materiais, escolha de métodos, gerenciamento de instruções, avaliação de resultados). Em muitos casos, é considerada a aplicação dos princípios didáticos ao desenho, desenvolvimento e controle dos processos de ensino, chegando alguns a identificá-lo com a Didática.

Consideramos que, embora de uma perspectiva ampla, o conceito de Tecnologia Educacional possa corresponder a essa segunda abordagem mais inclusiva e instrucional, da perspectiva dos campos disciplinares, como objeto de um currículo, o estudo da “tecnologia de DE a educação “, do processo tecnológico nos processos de desenho, execução e avaliação das ações educacionais, deve corresponder a cada uma das disciplinas pedagógicas que, além do lado teórico-especulativo, têm um lado prático-normativo tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado, um campo de ação prática Eles podem se desenvolver sistematicamente e de acordo com as diretrizes da ação tecnológica. Essa consideração do processo tecnológico dessas ciências poderia nos permitir falar sobre uma “tecnologia de ensino”, uma “tecnologia de orientação escolar” ou uma “tecnologia de organização escolar” quando nos referirmos aos aspectos de aplicação desses campos de conhecimento. Nessa perspectiva disciplinar, o desenho instrucional seria enquadrado na Didática e na Teoria e Prática do Currículo.

Related image

No entanto, dado que hoje o conhecimento sobre o uso e a aplicação contextualizada de recursos tecnológicos é essencial para professores de qualquer nível, e considerando que, apesar da simplificação progressiva de sua gestão, as inovações nesse campo são contínuas. , acreditamos que seu estudo não pode ser relegado para mais uma seção da Didática. Portanto, entendemos que o escopo disciplinar da Tecnologia Educacional tem o significado de “tecnologia na educação” e deve ser considerado como um campo transversal e auxiliar de conhecimento que atravessa os campos das Ciências Pedagógicas, que possuem uma componente prática marcante que fornece recursos tecnologias materiais e metodológicas, conhecimento científico, pesquisa e propostas teóricas e práticas relacionadas ao design e desenvolvimento, seleção e uso tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado, avaliação e gerenciamento desses recursos (atualmente especialmente aqueles relacionados às TIC e meios de comunicação de massa) ) Seu objetivo é contribuir para a melhoria das atividades educacionais e a resolução de seus problemas.

Related image

Nesse sentido, estamos próximos das abordagens de ALONSO (1996: 105) quando afirma: “estamos diante da dupla abordagem já histórica da Tecnologia Educacional: (1) a extensão de seu campo de ação a todo o processo educacional; ou (2) sua identificação com a mídia. Pessoalmente, considero que a Tecnologia Educacional (..) em um sentido amplo encontraria sua correspondência com a primeira das abordagens, enquanto que, na verdade, eu a identificaria com a segunda “. (Ibid. 112) acrescentará: “a disciplina Tecnologia Educacional pode encontrar seu significado no estudo da integração curricular da mídia”

Nosso posicionamento também se aproxima das abordagens de BARTOLOMÉ, (citadas em ALBA, BAUTISTA e NAFRÍA (1997), quando diz: “A TE encontra seu papel de especialização no campo da Didática e outras ciências aplicadas à educação, referindo-se especificamente ao design, desenvolvimento e aplicação de recursos em processos educacionais, não apenas em processos instrucionais, mas também em aspectos relacionados à Educação Social e outros campos “

Na mesma linha, estão as visões de RODRÍGUEZ DIÉGUEZ (1994), ALBA, BAUTISTA e NAFRÍA (1997) e CABERO (1999) que, reconhecendo o amplo campo da interação didática como espaço para a Tecnologia Educacional, apontam que seu centro de gravidade é o uso, design e produção, seleção, organização e avaliação da mídia tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado. Fato que pode ser verificado através da revisão dos programas desse assunto nas várias universidades.

Image result for educação e tecnologia

Da mesma forma, afirmamos com a CABERO que essa abordagem “não significa retornar às posições instrumentais iniciais da TE focadas nas características técnicas e estéticas da mídia, mas, pelo contrário, referindo-se a como os aspectos sintáticos e semânticos devem ser utilizados nos contextos instrucionais. mobilizados para o seu design, que relações podem ser estabelecidas entre seus sistemas simbólicos e as características cognitivas dos alunos ou que estruturas organizacionais facilitam ou dificultam sua introdução “. (1999: 33)

Nesse sentido, o gráfico de GALLEGO ARUFAT (1995) pode ser significativo, no qual se observa que a incidência da Tecnologia Educacional que inicialmente se concentrou no uso de materiais em sala de aula (perspectiva instrumental) posteriormente, com a influência de teoria dos sistemas, enfoca os processos de design e tomada de decisão antes do desenvolvimento de atividades educacionais:

De maneira sintética, podemos dizer que consideramos a Tecnologia Educacional como a teoria e a prática do design e desenvolvimento, seleção e uso, avaliação e gerenciamento de recursos tecnológicos aplicados aos ambientes educacionais.

Os componentes desta definição tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado, que representamos posteriormente na Tabela 11 são:

  • Teoria e prática. Uma profissão deve ter conhecimento teórico, com base em pesquisa e experiência, na qual a prática se baseia. A teoria consiste em conceitos, construtos, princípios e proposições, enquanto a prática consiste na aplicação desse conhecimento à resolução de problemas (no nosso caso educacionais) que refletirão as preocupações e sentimentos da sociedade em que se desenvolve.
  • de projeto e desenvolvimento, seleção e aplicação, avaliação e gerenciamento. Esses termos se referem tanto às áreas de conhecimento teórico quanto às funções desempenhadas por profissionais da área de TE:
  • Criação de material didático
  • Aplicação educacional desses materiais. Entendemos que o uso de recursos tecnológicos deve ser planejado com antecedência, de modo a incluir aqui o desenho instrutivo de situações específicas de aprendizagem mediadas, nas quais todos os elementos envolvidos no ato didático serão levados em consideração.
  • Gestão de recursos em centros e instituições educacionais.
  • de recursos tecnológicos. Especialmente os instrumentos físicos (máquinas, periféricos, instalações), o conteúdo e as estratégias para sua organização e uso (procedimentos, técnicas, atividades), visando à obtenção de resultados. Não obstante os recursos (termo que consideramos equivalente a médio) também incluem as pessoas, orçamentos e serviços envolvidos.

Incluímos dentro dos recursos tecnológicos os recursos didáticos desse tipo (especificamente projetados com essa intenção e geralmente com determinadas propostas de uso) tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado, bem como outros recursos tecnológicos que podem ser suscetíveis ao uso didático, como a mídia .

Related image
  • aplicado a ambientes educacionais. Seu objetivo, focado na aprendizagem, é contribuir para a melhoria das atividades educacionais e a resolução de seus problemas em todas as suas dimensões. Nesse sentido, praticamente todas as definições de TE coincidem, embora (como BARTOLOMÉ) enfatizemos que seu campo de ação não se restringe à escola ou ao ensino, mas abrange a educação em geral (campanhas de promoção de atitudes cívico etc.).

Também concordamos com ESCUDERO (1995b) quando ele diz que a Tecnologia Educacional deve contribuir “… para ampliar as margens de ação, decisão, intercomunicação entre professores e alunos, não para reduzi-las e para permitir o acesso a novas formas de explorar, representar e tratar o conhecimento, não empacotá-lo e reduzi-lo apenas a certos modos de expressão e tratamento do conhecimento “(1995c: 171)

A partir dessa definição, na qual os recursos tecnológicos constituem o núcleo do conteúdo da Tecnologia Educacional tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado, consideramos que essa disciplina deve levar em consideração os seguintes aspectos:

  • Conhecimento científico teórico associado a recursos tecnológicos (TIC e mídia de massa), para saber como eles são.
  • Competências de gestão, para saber como são utilizadas.
  • Alfabetização audiovisual (interpretação e uso da linguagem audiovisual) e sobre novas formas de estruturação da informação (alfabetização hipermedial).
  • Alfabetização informática e telemática: uso de programas básicos de informática e telemática.
  • Avaliação do impacto das TIC e da mídia de massa na sociedade e na educação. Potencial de inovação pedagógica.
  • Conhecimento dos materiais disponíveis no mercado: “meios de comunicação”, vídeos, softwares, espaços na web … e avaliação de sua qualidade técnica, pedagógica e funcional.
  • Conhecimento de suas possíveis aplicações na educação, embora cada ciência pedagógica se aprofunde no estudo de suas possibilidades de enfrentar seus problemas específicos nos diferentes contextos de aplicação.
  • Planejamento, gerenciamento e avaliação de atividades educacionais (procedimentos instrucionais) com suporte tecnológico, prestando especial atenção aos aspectos contextuais e organizacionais
  • Projeto e desenvolvimento de materiais educacionais em suporte tecnológico.
  • Organização de recursos pedagógicos nos centros.

Esses conteúdos coincidem amplamente com os apresentados pela maioria dos programas de Tecnologia Educacional das universidades espanholas e também respondem às diretrizes oficiais do Ministério da Educação e Cultura para este assunto central dos estudos de pedagogia, que o define com os descritores: “Projeto, aplicação e avaliação de recursos tecnológicos no ensino tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado. Modelos de design multimídia no processo de ensino – aprendizagem. Mudança tecnológica e inovação educacional”.

Related image

Funções da mídia e do tecnólogo educacional.

“Cada modelo atual ou pedagógico, consistente com sua concepção da teoria da educação à qual está ligado, hierarquiza e determina os meios” (SEVILLANO, 1990: 55). Nessa perspectiva, e contando com as contribuições de BAUTISTA (1989), SEVILLANO (19900), CEBRIÁN DE LA SERNA (1991) e CABERO (1991), GARCÍA VERA (1994), PRENDES (1998), apresentamos uma tabela no que propomos as relações entre as diferentes correntes curriculares e abordagens da Tecnologia Educacional, as concepções sobre a mídia e as funções atribuídas aos especialistas em Tecnologia Educacional.

Aprofundando-se na Tecnologia Educacional considerada uma profissão, de acordo com os estudos de Ely (1972), Hug (1978) e Mitchell (1981) sobre os trabalhos mais comuns desses especialistas e levando em conta nossa visão desse campo de conhecimento, Acreditamos que um tecnólogo educacional é um profissional da educação que, conhecedor dos recursos tecnológicos e com a intenção de resolver problemas educacionais:

/ – Projetar, aplicar e avaliar estratégias de ensino e aprendizagem e intervenção educacional em geral (planejamento, organização, orientação …) que considerem o uso de recursos tecnológicos.

  • Projetar, desenvolver e avaliar materiais educacionais ajustados a diferentes situações de aprendizagem.
  • Organizar os recursos tecnológicos das instituições de ensino.

Nesse sentido, BARTOLOMÉ (1988) propôs uma série de áreas de intervenção do tecnólogo educacional, que entendemos ainda válidas:

Related image

Atualmente, e especialmente no campo do design e desenvolvimento de materiais, esse campo profissional tende a aumentar a especialização (devido ao enorme desenvolvimento de tecnologia – multimídia, Internet, vídeo interativo etc. – e suas grandes possibilidades educacionais) tcc, monografias, monografias prontas, dissertação de mestrado e tese de doutorado, Ao mesmo tempo, é compartilhado por especialistas de nível médio e superior de outras disciplinas: “Comunicação Audiovisual”, “Multimídia”, “Ciências da Informação” etc. Com todo o tecnólogo educacional, conhecedor dos processos comunicativos de ensino e aprendizagem, dos ambientes educacionais e de suas necessidades, você pode estar em melhores condições para realizar essas atividades, evitando projetos formalizados e fechados, elaborados a partir de uma perspectiva técnica, e desenvolver propostas abertas e contextualizadas que considerem a experiência dos professores e apoiem suas ações com os alunos.

De qualquer forma, hoje o conhecimento e o uso de meios didáticos e recursos tecnológicos em geral são essenciais para todos os profissionais da educação, independentemente do nível educacional em que desenvolvam sua atividade. Tudo isso se justifica na seção “1.1.- A cultura tecnológica na sociedade da informação. Implicações educacionais”.